English Version
(11) 41078997 / (11) 98558-8579

Dr. José Carlos Garcia Jr.

Especialista em cirurgia de ombro, cotovelo e artroscopia

Home / Lesões / Ombro / Ombro Congelado e Capsulite Adesiva

Ombro Congelado e Capsulite Adesiva

 Ombro congelado é a perda da movimento do ombro associada a dor. Essa patologia não tem uma causa conhecida ainda, mas pode ser desencadeada por trauma, cirurgia prévia ou outras agressões ao ombro.
Quando associada à diabetes pode ser chamado de capsulite adesiva. É mais comum em mulheres entre 40 e 60 anos. Pode estar associado a traços depressivos.
A dor estimula a perda de movimento e isso gero um ciclo vicioso onde há aumento dor e perda de movimento com formação de aderências com piora progressiva. Geralmente o processo é autolimitado e leva de 6 meses a 2 anos ou mais para recuperar o movimento, nesse período a maioria dos pacientes sofre de dor constante e déficit demovimento do ombro.  A perda da rotação externa é o movimento tipicamente associado ao ombro congelado, entretanto outros movimentos podem estar extremamente comprometidos.
O paciente pode desenvolver tecido fibroso, causando adesão na articulação.
Há alargamento principalmente do ligamento córaco-umeral, diminuição de tamanho e perda de elasticidade da cápsula articular. O diagnóstico é essencialmente pelo exame físico, tendo como exames associados possíveis a artrografia(não muito realizada), a ultrassonografia(desde que com medida aproximada do conteúdo intraarticular) e a artroressonância.
O tratamento é essencialmente fisioterápico com ganho de arco de movimento agressivo.
A principal arma do paciente para melhorar o quadro é a perseverança no tratamento. Pacientes que procuram resultados rápidos não raramente alcançarão seus objetivos.
Infiltrações, distensão hídrica e bloqueios do nervo supraescapular podem auxiliar o tratamento.
Na não progressão com o tratamento conservador por pelo menos 6 meses a artroscopia para liberação do ligamento córaco-umeral e pancapsulectomia.
Desaconselho a manipulação sob narcose devido à possibilidade de fratura.
Mesmo nos pacientes operados, reabilitação e perseverança são necessárias.


Dr. José Carlos Garcia Jr. 
Ortopedista especialista em Ombro e Cotovelo do corpo clínico do Hospital Sírio-Libanês e referência em ombro e cotovelo do Hospital Moriah em São Paulo-Capital.
Médico graduado e pós-graduado pela Escola Paulista de Medicina(Federal de São Paulo).
Fellow na Mayo Clinic-Minnesotta-EUA,  Princeton-EUA e IFOR e IRCAD da Universidade de Estrasburgo-França.
Mestre em Ciências da Saúde(MSc)  pela Universidade de Liverpool-Inglaterra
Doutor em Ciências(PhD) com tese sobre aceleração da cicatrização tendínea pela USP.
Professor Coordenador do centro de estudos NÆON, serviço referendado de formação de especialistas das Sociedades Brasileira de Cirurgia de Ombro e Cotovelo e Internacional de Traumatologia do Esporte.

Atende no Núcleo de Medicina Avançada do Hospital Sírio-Libanês e no Hospital Moriah em São Paulo-Capital. Telefones de marcação: 11-41078997 e 11-985588579
Voltar